O advogado qualificado como Rodrigo Tacla Duran, alvo da 36a fase da operação Lava Jato foi preso em Madri na sexta-feira dia 18/11

José Serra, Chanceler brasileiro se apressa para livrar delator, peça chave de corrupção no PSDB.

O advogado qualificado como  Rodrigo Tacla Duran, alvo da 36a fase da operação Lava Jato foi preso em Madri na sexta-feira dia 18/11.
Qualificado pelo jornal Belga La Libre como sendo o « cérebro financeiro do caso Petrobras », Duran estava foragido da justiça e é apontado como um dos principais operadores de propina ligados ao PSDB segundo fontes internas da Policia Federal. A guarda civil espanhola afirma que Rodrigo Tacla Duran esta envolvido em vários esquemas de pagamentos de propina no Brasil e no exterior.
Segundo a Infobae, rede argentina de noticias , o doleiro foi preso num hotel do Centro da capital Madrilenha e esta sob custodia do « Departamento de Subornos » orgão da policia secreta espanhola. Tacla Duran era advogado da Odebrecht implicado no desvio de mais de 50 milhões de Reais para o PSDB. Segundo a Interpol, o foragido estava escondido nos Estados Unidos e apos o bloqueio de bens, evadiu-se, quando foi apanhado perodrigo-duranlas autoridades espanholas.
O Chanceler brasileiro José Serra se apressou em viagem não planejada para a Espanha. A viagem do Chanceler brasileiro foi mantida em sigilo pelo Itamaraty e até o momento do fechamento desta matéria a pagina estava fora do ar.
O envolvimento do Chanceler brasileiro na operação Lava Jato foi denunciado pela Odebrecht conforme matéria da Folha de Sao Paulo. A matéria teve tímida repercução também no portal G1. A viagem do Chanceler às pressas, sem prévia publicação na agenda ministerial reforça a tese do envolvimento do Ministro no caso. José Serra foi apontado como sendo o beneficiário do pagamento de R$ 23 milhões em propina pela Odebrecht, empresa para a qual Rodrigo Durant trabalhava.
Tentamos contato com o Ministério das Relações exteriores para elucidar a questão, mas até o momento do fechamento desta matéria, nenhuma resposta foi obtida.
Foto : Infobae e Ministerio de Asuntos Exteriores y Cooperación

Com o paoio do VioMundo

Um Brasileiro​ por traz da paz.

 

Humanitari0629984_400ans confront suffering wherever it may be, often at great personal sacrifice. Their contributions often go unnoticed, but their impact is felt by millions who frequently have nowhere else to turn”

Samantha Powers

Sérgio Vieira de Mello era um tipico brasileiro, engajado em reconstruir a harmonia e equilíbrio politico baseado na diplomacia. Alto comissario da ONU, o diplomata brasileiro,a quem em muito se essemelhava o próprio presidente Obama, no inicio, quando das disputas presidenciais para o seu primeiro mandato, foi uma pessoa importante no processo de pacificação de diversas zonas de conflito.

Sérgio esteve no Líbano, Bósnia, Ruanda, Kosovo, Timos Leste e no Iraque, o que lhe atribuiu uma experiencia sem precedentes além da vivencia em tantas zonas de conflito. Assassinado em 2003 num atentado contra a sede das Nações Unidas (Oo) no país, o homem que teve uma vida brilhante, um Brasileiro de alto quilate no jogo das relações internacionais. Definido pelo ex-presidente Lula em 2003, como “raro”, ou “uma semante única”, que não se pode encontrar da noite para o dia.

Podemos dizer que ele tinha tudo para ser um dos próximos lideres mundiais. Sérgio Vieira de Mello deixou um legado diplomático nas Nações Unidas, o homem por traz da resiliência, defendia uma pronta recuperação do poder institucional das zonas de conflito, visando o pronto e rápido restabelecimento da ordem, sem que o povo sentisse os impactos nocivos da ocupação.

Sérgio Vieira de Mello, aportou em Bagdá com uma junta dos melhores especialistas das Nações Unidas, visando o pronto restabelecimento após a invasão em 2003, além da determinação de entregar ao povo Iraquiano um futuro independente, após a guerra.
Em suas palavras, era importante “substituir o mais rápido possível a coalisao para recobrar plenamente a soberania do povo. Ninguém quer estar sob ocupaçao”.

O diplomata ainda questionava, “como ele se sentiria se visse sua terra natal, o Rio de Janeiro sendo invadida?!? Eu não iria gostar!” afirmou categoricamente, Sérgio, em um documentario fascinante realizado pela HBO Documentary.

Em 19 de agosto de 2003, durante uma reunião que estava sendo televisionada, o diplomata brasileiro e mais 21 pessoas, entre membros das Nações Unidas em missão no Iraque, foi assassinado num “atentado terrorista” contra a sede das Nações Unidas em Bagdá. Uma morte lenta e violenta para um homem que deixou um legado diplomático baseado na paz e nos direitos humanos, digno de ser continuado.

A morte de Sérgio Vieira de Mello deixou estarrecida a comunidade diplomática internacional e ainda estarrece! Pessoas ligadas ao Diplomata testemunharam todo o incidente e saíram ilesas, entre eles o Politólogo Libanês Ghassan Salamé e sua então assistente na época, a curdo-iraquiana Shawbo Taher.

Sérgio Vieira de Mello carregava a chama do povo brasileiro por direitos humanos, paz, equilíbrio e equidade. Um diplomata que pagou caro o preço de sua dedicação para com a humanidade. Fica a pergunta, até quando?

Em sua homenagem hoje, diremos, Sérgio Vieira de Mello vive em todo Brasileiro!

Acompanhem os documentários a respeito do diplomata, a seguir na programação do Novo Jornal Nacional.

Nós ainda sugerimos as seguintes leituras, para maior entendimento sobre a questao: “Chasing the Flame : Sergio Vieira de Mello and the Fight to Save the World” publicado em 2003 e “A Problem from Hell: America and the Age of Genocide” ambos de autoria de Samanta Powers.