Dois Ministros do Supremo Tribunal Federal brasileiro fazem declarações nesta segunda-feira.

A presidente do Supremo Tribunal Federal brasileiro e o ministro Luis Roberto Barroso fizeram declarações nesta segunda-feira (2) exatamente dois dias antes do julgamento do Habeas corpus do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva no Supremo Tribunal Federal.

Anúncios

 

Luis_Roberto_Barroso_2014
Ministro do STF – Luis Roberto Barroso

O ministro brasileiro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso, fez nesta segunda-feira (2) em São Paulo uma declaração em que afirma que a corrupção sistêmica é um antigo modo de fazer política no Brasil. Segundo o Ministro, o Brasil estaria despertando de um estado em que a corrupção tinha se apoderado, como uma forma de fazer política. A declaração se deu durante a participação de Barroso ao Fórum Internacional de Segurança Humana, na América Latina. O evento foi promovido pelo Instituto Latino-Americano das Nações Unidas para Prevenção do Crime e Tratamento do Delinquente. O Ministro ressaltou a universalização do ensino para crianças de até 3 anos como sendo uma das metas importantes para que o país possa oferecer alguma «segurança humana ». Para Luis Roberto Barroso « um país não se constrói apenas com punitivismo e combate à corrupção, mas com agenda social. Não apenas slogans», disse o ministro.

 

 

Posse da ministra Cármen Lúcia na presidência do STF
Presidente do STF – Carmem Lùcia

Horas mais tarde foi a Ministra Carmem Lúcia, Presidente do STF, quem veio a público em cadeia nacional tratar de questões ligadas à democracia brasileira. Fazendo um apelo aos brasileiros para que respeitem a diversidade de opiniões de forma pacífica e respeitosa, a Ministra mencionou que « gerações de brasileiros ajudaram a construir uma sociedade que se pretende livre, justa e solidária ». Durante a fala, a Ministra declarou que « diferenças não podem ser inimizades sociais ». Para Carmem Lúcia, « a liberdade democrática há de ser exercida sempre com o respeito ao outro ». A Presidente do Supremo Tribunal Federal brasileiro afirmou que os brasileiros vivem hoje « tempos de intolerância e de intransigência contra pessoas e instituições ».
Os pronunciamentos dos dois Ministros ganharam repercussão na mídia brasileira após a Polícia Federal ter decretado, na quinta-feira dia 29 de março, com a autorização do Ministro Barroso, a prisão de toda cúpula próxima ao presidente Michel Temer. Entre os presos estão José Yunes, advogado, amigo e ex-assessor de Michel Temer, Antônio Celso Grecco, empresário, João Baptista Lima, ex-coronel da Polícia Militar de São Paulo e amigo de Temer, Wagner Rossi, ex-deputado, ex-ministro e ex-presidente da estatal Codesp no Estado de São Paulo, Milton Ortolan que era auxiliar de Wagner Rossi. A operação aprisionou por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro cinco pessoas do círculo mais próximo de Michel Temer, quem ascendeu à presidência após o controverso processo de impeachment de Dilma Rousseff, aceito por um aliado de Temer, o então Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

 

downloadCondenando em 31 de março de 2017 a quinze (15) anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, Eduardo Cunha hoje encontra-se preso.

A radicalização como arma de guerra, processo de implatação e laboratórios sociais.

Trata-se de um grande jogo de estratégia geo-política, onde o estudo do comportamento das populações imigrantes auxilia na tomada de decisões políticas, visando a desestabilização de governo democráticos, permitindo a derrocada econômica e social…

Trata-se de um grande jogo de estratégia geo-política, onde o estudo do comportamento das populações imigrantes auxilia na tomada de decisões políticas, visando a desestabilização de governo democráticos, permitindo a derrocada econômica e social…

O processo de radicalização faz parte de um plano de dominação colonial que ajuda a estudar o comportamento das sociedades e permite ações efetivas do ponto de vista geopolítico.

Quem participa?

Uma associação entre os 5 olhos (EUA, Canada, Nova Zelândia, Grã-Bretanha e Austrália) permite que a espionagem virtual estude o comportamento de algumas populações permitindo maior acuracidade na tomada de ações no que se refere à manipulação da opinião pública.

Trata-se de um grande jogo de estratégia geo-política, onde o estudo do comportamento das populações imigrantes auxilia na tomada de decisões políticas, visando a desestabilização de governo democráticos, permitindo a derrocada econômica e social de diversas sociedades estabelecidas e bem organizadas.

Quem são os alvos?

Aconteceu no mundo Árabe, na América Latina, aconteceu na Ucrânia e já começa a dar sinais no mundo oriental à exemplo dos últimos episódios geopolíticos envolvendo a China e Taiwan.

Cada um dos cinco olhos tem uma legislação própria que permite a web-surveillance (espionagem virtual) de forma legítima dentro de seu território nacional. Acontece que o que não está previsto nem se menciona nas legislações é o fato de que estas informações serão trocadas com os demais parceiros, numa espécie de grande rede de espionagem que exerce o controle sobre grandes populações estrangeiras através de suas respectivas comunidades de imigrantes.

Como acontece?

1040436_676975322328048_1763621519_o

É um jogo lucrativo que dá acesso fácil e sem ônus algum a verdadeiras avalanches de informações estratégicas, promovidas pelos próprios imigrantes no processo de restabelecimento de suas carreiras profissionais durante os processos de imigração.

Grandes entrevistas, junto a empresas estratégicas são oferecidas, como simulação de ofertas de emprego aonde uma quantidade absurda de informações estratégicas pode ser conseguida sem o menor esforço utilizando-se apenas da boa vontade, boa fé e o interesse em progredir das pessoas que resolveram tentar a sorte além de suas fronteiras nacionais.

foto_mat_32773

É um processo que envolve além de fatores sociais como a sabotagem a profissionais imigrantes (levante muitas vezes a condições próxima à linha da miséria), compreensão neurolinguística e espionagem da vida privada para entender como reagem as populações face às arbitrariedades cometidas no contexto internacional.

Governos foram depostos baseados nestas informações a exemplo do governo Brasileiro que estava sob espionagem eletrônica deflagrada desde 2012, conforme afirma diversas matérias que circulam nas redes sociais.

ucrania_234043Quais são as ferramentas?

Uma das peças fundamentais desta engrenagem são as empresas de mídia privada, que associadas ao capital estrangeiro passam adotar um viés no discurso político. Muitas destas empresas de mídia estão envolvidas com grandes corporações de crime organizado e tráfico internacional de entorpecentes. Elas corroboram com a estratégia em questão, abrigando e divulgando informações provenientes da espionagem, colaborando para o acirramento das tensões políticas internas dos países, levando à implantação de crises econômicas monumentais bem como a verdadeiros cataclismos políticos, a exemplo das revoluções do mundo árabe em 2012, e os golpes de estado da América latina. Verdeiras convulsões sociais são criadas para dar acesso às riquezas naturais e liderança geo-política, n|ão importando se os países são parceiros ou não do ponto de vista bélico e comercial.

É uma formula mágica que permite num período extremamente curto polarizar a opinião publica através de propaganda fascista, levando ao caos social e consequente derrocada de governos legítimos sem nenhum resquício de ilegalidade ou fato jurídico que possa contribuir para isso.

Os próximos passos.

Após o período de desestabilização econômica, após as crises políticas, evidente que as alianças passam a ser feita nos bastidores, por diplomatas no uso de suas atribuições, que passam a ditar a agenda política e as medidas a serem tomadas, para então possibilitar a continuidade do processo de radicalização da população. O objetivo é claro: encontrar entre as populações “invadidas” mártires capazes de dar a vida por suas causas, e assim, aumentar ainda mais as tensões internas dos países, levando muitas vezes a justificar a própria invasão do território e a completa intromissão na auto-determinação dos povos, levando à subjugar a soberania nacional de diversos países.

Um jogo lucrativo que permite a completa expropriação dos bens de uma nação sob a égide de “ajudar na estabilização”.

O advogado qualificado como Rodrigo Tacla Duran, alvo da 36a fase da operação Lava Jato foi preso em Madri na sexta-feira dia 18/11

José Serra, Chanceler brasileiro se apressa para livrar delator, peça chave de corrupção no PSDB.

O advogado qualificado como  Rodrigo Tacla Duran, alvo da 36a fase da operação Lava Jato foi preso em Madri na sexta-feira dia 18/11.
Qualificado pelo jornal Belga La Libre como sendo o « cérebro financeiro do caso Petrobras », Duran estava foragido da justiça e é apontado como um dos principais operadores de propina ligados ao PSDB segundo fontes internas da Policia Federal. A guarda civil espanhola afirma que Rodrigo Tacla Duran esta envolvido em vários esquemas de pagamentos de propina no Brasil e no exterior.
Segundo a Infobae, rede argentina de noticias , o doleiro foi preso num hotel do Centro da capital Madrilenha e esta sob custodia do « Departamento de Subornos » orgão da policia secreta espanhola. Tacla Duran era advogado da Odebrecht implicado no desvio de mais de 50 milhões de Reais para o PSDB. Segundo a Interpol, o foragido estava escondido nos Estados Unidos e apos o bloqueio de bens, evadiu-se, quando foi apanhado perodrigo-duranlas autoridades espanholas.
O Chanceler brasileiro José Serra se apressou em viagem não planejada para a Espanha. A viagem do Chanceler brasileiro foi mantida em sigilo pelo Itamaraty e até o momento do fechamento desta matéria a pagina estava fora do ar.
O envolvimento do Chanceler brasileiro na operação Lava Jato foi denunciado pela Odebrecht conforme matéria da Folha de Sao Paulo. A matéria teve tímida repercução também no portal G1. A viagem do Chanceler às pressas, sem prévia publicação na agenda ministerial reforça a tese do envolvimento do Ministro no caso. José Serra foi apontado como sendo o beneficiário do pagamento de R$ 23 milhões em propina pela Odebrecht, empresa para a qual Rodrigo Durant trabalhava.
Tentamos contato com o Ministério das Relações exteriores para elucidar a questão, mas até o momento do fechamento desta matéria, nenhuma resposta foi obtida.
Foto : Infobae e Ministerio de Asuntos Exteriores y Cooperación

Com o paoio do VioMundo