Dois Ministros do Supremo Tribunal Federal brasileiro fazem declarações nesta segunda-feira.

A presidente do Supremo Tribunal Federal brasileiro e o ministro Luis Roberto Barroso fizeram declarações nesta segunda-feira (2) exatamente dois dias antes do julgamento do Habeas corpus do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva no Supremo Tribunal Federal.

Anúncios

 

Luis_Roberto_Barroso_2014
Ministro do STF – Luis Roberto Barroso

O ministro brasileiro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso, fez nesta segunda-feira (2) em São Paulo uma declaração em que afirma que a corrupção sistêmica é um antigo modo de fazer política no Brasil. Segundo o Ministro, o Brasil estaria despertando de um estado em que a corrupção tinha se apoderado, como uma forma de fazer política. A declaração se deu durante a participação de Barroso ao Fórum Internacional de Segurança Humana, na América Latina. O evento foi promovido pelo Instituto Latino-Americano das Nações Unidas para Prevenção do Crime e Tratamento do Delinquente. O Ministro ressaltou a universalização do ensino para crianças de até 3 anos como sendo uma das metas importantes para que o país possa oferecer alguma «segurança humana ». Para Luis Roberto Barroso « um país não se constrói apenas com punitivismo e combate à corrupção, mas com agenda social. Não apenas slogans», disse o ministro.

 

 

Posse da ministra Cármen Lúcia na presidência do STF
Presidente do STF – Carmem Lùcia

Horas mais tarde foi a Ministra Carmem Lúcia, Presidente do STF, quem veio a público em cadeia nacional tratar de questões ligadas à democracia brasileira. Fazendo um apelo aos brasileiros para que respeitem a diversidade de opiniões de forma pacífica e respeitosa, a Ministra mencionou que « gerações de brasileiros ajudaram a construir uma sociedade que se pretende livre, justa e solidária ». Durante a fala, a Ministra declarou que « diferenças não podem ser inimizades sociais ». Para Carmem Lúcia, « a liberdade democrática há de ser exercida sempre com o respeito ao outro ». A Presidente do Supremo Tribunal Federal brasileiro afirmou que os brasileiros vivem hoje « tempos de intolerância e de intransigência contra pessoas e instituições ».
Os pronunciamentos dos dois Ministros ganharam repercussão na mídia brasileira após a Polícia Federal ter decretado, na quinta-feira dia 29 de março, com a autorização do Ministro Barroso, a prisão de toda cúpula próxima ao presidente Michel Temer. Entre os presos estão José Yunes, advogado, amigo e ex-assessor de Michel Temer, Antônio Celso Grecco, empresário, João Baptista Lima, ex-coronel da Polícia Militar de São Paulo e amigo de Temer, Wagner Rossi, ex-deputado, ex-ministro e ex-presidente da estatal Codesp no Estado de São Paulo, Milton Ortolan que era auxiliar de Wagner Rossi. A operação aprisionou por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro cinco pessoas do círculo mais próximo de Michel Temer, quem ascendeu à presidência após o controverso processo de impeachment de Dilma Rousseff, aceito por um aliado de Temer, o então Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

 

downloadCondenando em 31 de março de 2017 a quinze (15) anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, Eduardo Cunha hoje encontra-se preso.

O advogado qualificado como Rodrigo Tacla Duran, alvo da 36a fase da operação Lava Jato foi preso em Madri na sexta-feira dia 18/11

José Serra, Chanceler brasileiro se apressa para livrar delator, peça chave de corrupção no PSDB.

O advogado qualificado como  Rodrigo Tacla Duran, alvo da 36a fase da operação Lava Jato foi preso em Madri na sexta-feira dia 18/11.
Qualificado pelo jornal Belga La Libre como sendo o « cérebro financeiro do caso Petrobras », Duran estava foragido da justiça e é apontado como um dos principais operadores de propina ligados ao PSDB segundo fontes internas da Policia Federal. A guarda civil espanhola afirma que Rodrigo Tacla Duran esta envolvido em vários esquemas de pagamentos de propina no Brasil e no exterior.
Segundo a Infobae, rede argentina de noticias , o doleiro foi preso num hotel do Centro da capital Madrilenha e esta sob custodia do « Departamento de Subornos » orgão da policia secreta espanhola. Tacla Duran era advogado da Odebrecht implicado no desvio de mais de 50 milhões de Reais para o PSDB. Segundo a Interpol, o foragido estava escondido nos Estados Unidos e apos o bloqueio de bens, evadiu-se, quando foi apanhado perodrigo-duranlas autoridades espanholas.
O Chanceler brasileiro José Serra se apressou em viagem não planejada para a Espanha. A viagem do Chanceler brasileiro foi mantida em sigilo pelo Itamaraty e até o momento do fechamento desta matéria a pagina estava fora do ar.
O envolvimento do Chanceler brasileiro na operação Lava Jato foi denunciado pela Odebrecht conforme matéria da Folha de Sao Paulo. A matéria teve tímida repercução também no portal G1. A viagem do Chanceler às pressas, sem prévia publicação na agenda ministerial reforça a tese do envolvimento do Ministro no caso. José Serra foi apontado como sendo o beneficiário do pagamento de R$ 23 milhões em propina pela Odebrecht, empresa para a qual Rodrigo Durant trabalhava.
Tentamos contato com o Ministério das Relações exteriores para elucidar a questão, mas até o momento do fechamento desta matéria, nenhuma resposta foi obtida.
Foto : Infobae e Ministerio de Asuntos Exteriores y Cooperación

Com o paoio do VioMundo